Novo ativo para melhora da aparência da pele, cabelos e unhas – LN2

Compartilhe esse Artigo
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

LN2 – Silício biodisponível + Taurina + Panax Ginseng

 

O LN2 é um novo conceito para reposição de silício e melhorar a aparência da pele (melhora a hidratação, elasticidade e firmeza), cabelos (aumenta o brilho e a resistência a queda) e unhas (aumenta a resistência a queda e o ritmo de crescimento). O LN2 é composto por silício orgânico complexado com taurina e panax ginseng. Está disponível na forma oral  e tópica.

Taurina

A Taurina é um Beta-amino ácido de ocorrência natural produzido pelo metabolismo de metionina e cistina. Está envolvido em uma variedade de funções fisiológicas, incluindo ação imunomodulatória e antifibrótica (COLLIN et al., 2006).

Fortalece e estimula o crescimento dos cabelos: a Taurina protege o folículo piloso, age na bainha externa da raiz e do bulbo capilar. Promove a sobrevivência do fio e previne os efeitos deletérios induzidos pelo TGF-β1 (Fator de Crescimento Transformador – inibe o crescimento do fio) (COLLIN et al., 2006).

Ação antioxidante (combate ao estresse oxidativo) e anti-inflamatória: Um estudo duplo-cego, controlado por placebo, realizado com 24 mulheres obesas, em suplementação com 3g/dia de taurina, por 8 semanas, apresentaram redução significativa da proteína C reativa (marcador inflamatório) em 29% e redução da peroxidação lipídica em 20%, além de aumento nos níveis de adiponectina (12%) (ROSA et al., 2013). Desenvolve um papel importante no sistema imune como antioxidante com proteção celular, incluindo leucócitos do estresse oxidativo. Possui papel citoprotetor e mantém a homeostase de células envolvidas na inflamação crônica e aguda (MARCINKIEWICZ; KONTNY, 2014).

Regula a homeostase de cálcio: o glutamato induz uma elevação rápida e sustentada de cálcio citoplasmático livre, causando colapso do gradiente eletroquímico mitocondrial e subsequente morte celular. A taurina previne e reduz a excitotoxicidade do glutamato, pois melhora a função mitocondrial e regula a homeostase intracelular (citoplasmática e mitocondrial) de cálcio (EL IDRISSI; TRENKNER, 2003).

Panax Ginseng

Estimula a síntese de colágeno e inibe a expressão de metaloproteinases (MMP) de matriz em fibroblastos: o extrato de ginseng é rico no componente ativo Ginsenosideo F2, e sua aplicabilidade foi avaliada em estudo in vitro, com a exposição de fibroblastos humanos a radiação UVB. Nas células tratadas com o extrato de ginseng a produção de MMP-1 reduziu consideravelmente, sem apresentar toxicidade. Além disso, sua aplicação tópica mostrou significativa redução na secura da pele, espessura e fibras colágenas fragmentadas. Houve aumento da produção de procolágeno tipo II e diminuição da secreção de MMP,-1. Os resultados mostram o potencial uso do Ginseng para a prevenção e tratamento de danos na pele induzidos pelas radiação UVB (HWANG et al., 2014).

Ação anti envelhecimento: estudos mostram que o ginseng induz a transcrição de genes do stress, em particular, aumenta a síntese das Heat Shock Protein HSP1A1 e HSP70, em queratinócitos humanos e fibroblastos dérmicos normais. Além disso, o extrato possui efeitos positivos significativos contra rugas faciais e outros sintomas de pele facial do envelhecimento, como clinicamente testados. Isso pode ser devido a ação das HSP1A1 e HSP70 envolvidas no reparo de proteínas e remoção de proteínas anormais (RATTAN et al., 2013). O extrato possui ação antioxidante, eficácia anti-rugas e clareamento da pele (LEE et al., 2012a).

Ação antioxidante: extrato de Panax ginseng reduz a produção de óxido nítrico e induz a síntese de óxido nítrico sintase em queratinócitos e fibroblastos dérmicos humanos. Além disso, possui efeitos inibitórios sobre a elevação da ciclooxigenase-2 (COX-2) e fator de necrose tumoral-α (TNF-α), quando as células foram submetidas a radiação UVB (LEE et al., 2012b).

Silício Orgânico

O silício é o elemento mais abundante (27,2%) presente na crosta terrestre, depois do oxigênio (45,5%). O silício já tem sido associado a mineralização óssea, síntese de colágeno, da pele, unha e cabelos, a melhora no sistema imunitário e em alguns distúrbios. Estudos mostram que a deficiência ou baixa biodisponibilidade de silício pode estar relacionada a problemas com a estrutura óssea e a produção de colágeno (JURKIC et al., 2013).

Um sinal típico do envelhecimento da pele é a queda dos níveis de silício e ácido hialurônico nos tecidos conjuntivos, o que resulta em perda da elasticidade e humidade da pele. A aparência dos cabelos e unhas também podem ser afetados pela baixa nos níveis de silício, já que são compostos basicamente por proteínas e queratina. O ácido orto-silícico pode estimular a produção de colágeno e a função e reparação do tecido conjuntivo. Um estudo realizado com mulheres entre 40-65 anos, com sinais clínicos de foto dano na pele facial, fizeram suplementação oral com silício, e apresentaram efeitos positivos na morfologia do cabelo e resistência à tração (JURKIC et al., 2013).

Em estudo realizado com ratos mostra que o déficit de silício causa uma redução da taxa de crescimento em ratos acrescido de anomalias no esqueleto e nos tecidos conjuntivos dos animais. O quadro foi revertido após suplementação de silício. Sendo assim, o silício mostrou ser essencial para o processo de crescimento e para sustentação do tecido conjuntivo (Nature 1972).

Loper e colaboradores realizaram um estudo avaliando a quantidade de silício na aorta humana normal e acompanharam a redução dos seus níveis com o avanço da idade. Os pesquisadores constataram que os níveis de silício diminui com a idade, e que o nível de silício na artéria pode diminuir ainda mais com o desenvolvimento de aterosclerose (LOEPER et al., 1966).

Fórmulas: Click Aqui

Conforme a RDC23/2008, art. 36 – Para a divulgação de informações sobre medicamentos manipulados é facultado às farmácias o direito de fornecer, exclusivamente aos profissionais habilitados a prescrever.

Para acessar as fórmulas é necessário solicitar a senha pelo e-mail [email protected] ou para um de nossos Farmacêuticos.

A senha será liberada exclusivamente para profissionais habilitados a prescrever.

 

Referências:

Collin C, Gautier B, Gailard O, Hallegot P, Chabane S, et al. Protective effects of taurine on human hair follicle grown in vitro. Int J Cosmet Sci. 2006 Aug;(28)4:289-98.  doi: 10.1111/j.1467-2494.2006.00334.x.

El Idrissi A, Trenkner E. Taurine regulates mitochondrial calcium homeostasis. Adv Exp Med Biol. 2003; 526:527-36.

Hwang E, Lee TH, Park SY, Yi TH, Kim SY. Enzyme-modified Panax ginseng inhibits UVB-induced skin aging through the regulation of procollagen type I and MMP-1 expression. Food Funct. 2014 Feb;5(2):265-74. doi: 10.1039/c3fo60418g.

Jurkic LM, Cepanec I, Pavelic SK, Pavelic K. Biological and therapeutic effects of ortho-silicic acid and some ortho-silicic acid-releasing compounds: New perspectives for therapy. Nutr Metab (Lond). 2013 Jan 8;10(1):2. doi: 10.1186/1743-7075-10-2.

Lee HS, Kim MR, Park Y, Park HJ, Chang UJ, Kim SY, Suh HJ. Fermenting red ginseng enhances its safety and efficacy as a novel skin care anti-aging ingredient: in vitro and animal study. J Med Food. 2012a Nov;15(11):1015-23. doi: 10.1089/jmf.2012.2187.

Lee H, Lee JY, Song KC, Kim J, Park JH, Chun KH, Whang GS. Protective Effect of Processed Panax ginseng, Sun Ginseng on UVB-irradiated Human Skin Keratinocyte and Human Dermal Fibroblast. J Ginseng Res. 2012 Jan;36(1):68-77. doi: 10.5142/jgr.2012.36.1.68.

Loeper J, Lemaire E. Study of silicium in animal biology and during atheroma. Presse Med. 1966 Apr 2;74(17):865-8.

Marcinkiewicz J, Kontny E. Taurine and Inflammatory diseases. Amino acids. 2014 Jan;46(1):7-20. doi: 10.1007/s00726-012-1361-4. Epub 2012 Jul 19.

Rattan SI,Kryzch V, Schnebert S, Perrier E, Nizard C. Hormesis-based anti-aging products: a case study of a novel cosmetic. Dose Response. 2013;11(1):99-108. doi: 10.2203/dose-response.11-054.Rattan. Epub 2012 Jan 12.

Rosa FT, Freitas EC, Deminice R, Jordão AA, Marchini JS. Oxidative stress and inflammation in obesity after taurine supplementation: a double-blind, placebo-controlled study. Eur J Nutr. 2013 Sep 25.

Deixe uma resposta

Copy Protected by Chetan's WP-Copyprotect.